Marco Feliciano é capa da revista ISTOÉ, Christian News


Marco Feliciano é capa da revista ISTOÉ

Por Sarah Curty | Correspondente do The Christian Post

O pastor e deputado Marco Feliciano (PSC-SP) é capa da edição 2263 da revista ISTOÉ, que chega às bancas no próximo dia 30. A reportagem mostra como o parlamentar e seu partido têm se beneficiado com toda a repercussão na mídia desde quando foi indicado para ocupar o cargo de presidente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias (CDHM) da Câmara dos Deputados.

  • feliciano

    (Foto: Reprodução/Revista Istoé)

    Pastor e deputado Marco Feliciano é capa da revista Istoé que vai às bancas em 30 de março.

Petições, passeatas e protestos contra a permanência do parlamentar na presidência da comissão são pautas constantes no último mês.

A revista aponta Feliciano como racista, homofóbico e machista e afirma que são preceitos que ele professa em sua igreja, a Assembleia de Deus – Catedral do Avivamento, “além de profanar a memória de líderes religiosos que ele mesmo escolheu como patronos”, como Martin Luther King, com quem se comparou.

A reportagem mostra que Feliciano não se importa com aqueles que pedem sua renúncia, o que ele, inclusive, já afirmou que não irá fazer. Segundo o texto, o Partido Social Cristão se aproveita da fama repentina e, oportunamente, mantém a polêmica viva para que consiga abarcar outros cargos no governo.

O partido, com apenas 16 representantes no Congresso, é da base governista, mas, segundo seu líder, o deputado André Moura, até hoje não conseguiu eleger ministros ou cargos mais importantes no Congresso.

O impasse da presença de Feliciano na presidência da Comissão, diz a revista, seria resolvido se ele fosse substituído por qualquer outro parlamentar. No entanto, André Moura defendeu seu partido ao presidente da Câmara dos Deputados, Henrique Alves (PMDB-RN).

Moura afirmou que o PSC tem direito de indicar quem quiser para a presidência da comissão que lhe foi oferecida. “O PT abriu mão da comissão e ela nos foi oferecida. Nosso direito é indicar o presidente e o dever dos outros partidos é nos respeitar”, afirmou Moura.

Segundo a revista, nem mesmo o presidente da Câmara tem poder para tirar Feliciano da presidência da CDHM. O que restaria, então, seria o “bom-senso”, diz a reportagem.

Henrique Alves, no entanto, não pretende deixar o assunto. Após a Páscoa, ele pretende convocar Marco Feliciano e líderes de partido para uma reunião com a intenção de aumentar a pressão para que ele renuncie do cargo.

De acordo com a reportagem, Marco Feliciano e o partido se aproveitam da sua visibilidade com vistas para as eleições de 2014. O comentarista político e membro da bancada evangélica da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), afirmou à ISTOÉ que se Feliciano “renunciar, não se reelege nunca mais. Se ficar, se reelege com um milhão de votos sem sair de casa”.

O partido está ganhando seu espaço e se sente no direito de ganhar espaço no governo Dilma sob alegações de que o apoio fez a presidente ganhar votos dos cristãos. “Apoiamos a campanha e hoje somos um aliado fiel que não tem cargos. Somos maiores do que outros partidos mais consolidados, como PCdoB e PV, mas que nunca teve direito a muita coisa”, afirmou Everaldo Pereira, pastor e vice-presidente do PSC.

A publicação ainda afirma que tanta visibilidade e polêmica têm beneficiado o próprio Feliciano. São 13 igrejas espalhadas por São Paulo e a venda de CDs e DVDs da Catedral do Avivamento quase dobrou em março, mês de sua “fama”.

Marco Feliciano é capa da revista ISTOÉ, Christian News

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: