As Seitas e os seus líderes


Mestre em hebraico que não sabia… hebraico

F. W. Franz é apontado pelas Testemunhas de Jeová como sendo um dos tradutores da Tradução do Novo Mundo das Sagradas Escrituras, uma das tentativas mais ridículas de torcer o conteúdo bíblico.  Franz dizia ser mestre em hebraico, mas em uma troca de perguntas e respostas entre o procurador da Coroa Escocesa e o próprio Franz, encontradas em uma peça de julgamento, sofrido por ele em novembro de 1954, na Escócia; está registrada a ignorância dele

Vejam o dialogo
Procurador: Também se familiarizou com o hebraico?
Franz: Sim
Procurador: Portanto tem instrumentos linguísticos substanciais à sua disposição?
Franz: Sim, para uso do meu trabalho bíblico
Procurador: Penso que o senhor é capaz de ler e seguir a Bíblia em hebraico, grego, latim, espanhol, português, alemão e francês…
Franz: Sim (…)
Procurador: O senhor mesmo lê e fala hebraico, não é verdade?
Franz: Eu não falo hebraico
Procurador: Não fala?
Franz: Não
Procurador: Pode, o senhor mesmo, traduzir isto para o hebraico?
Franz: O quê?
Procurador: Este quarto versículo do segundo capítulo de Gênesis
Franz: O senhor quer dizer aqui?
Procurador: Sim
Franz: Não, eu não tentaria fazer isso

(Prova da Acusação, págs. 7 e 61).

Mestre em grego que não sabia… grego

Charles T. Russell, fundador das Testemunhas de Jeová dizia saber grego, mas não sabia nada dessa língua.  J. J. Ross, um pastor batista dos EUA, foi processado por Russell por afirmar em um panfleto alguns fatos sobre o pretenso pastor Charles T Russell líder das TJ, entre outras coisas, que não sabia grego, como declarava. No final do processo, Ross foi absolvido de todas as acusações de Russell. A série de perguntas e respostas a seguir são do processo, onde o advogado Staunton interroga Russell:

Advogado: O senhor conhece o alfabeto grego?
Russell: Oh, sim!
Advogado: O senhor poderia me dizer os nomes dessas letras se as visse?
Russell: Algumas delas. Talvez me enganasse com outras
Advogado: Poderia me dizer os nomes dessas que estão no alto da página 447, que tenho em mãos?
Russell: Bem, não sei se seria capaz
Advogado: O senhor não conhece essas letras? Veja se as conhece
Russell: Meu caminho (neste momento Russell foi interrompido sem permitirem que se explicasse)
Advogado: O senhor conhece a língua grega?
Russell: Não

Quacres na Lua?
Joseph Smith, o fundador do mormonismo, afirmou certa vez: "Os habitantes da Lua têm tamanho mais uniforme que os habitantes da Terra, cerca de 1,83m de altura. Vestem-se muito à moda dos quacres, e seu estilo é muito geral, com quase um só tipo de moda. Têm vida longa, chegando geralmente a quase mil anos"

Bem, cerca de 100 anos depois o homem chegou à Lua e até agora não há notícias de quacres ETs por lá.

Fonte: (Revista de Oliuer B. Huntinton, 2" volume, pág. 166) – Revista Resposta Fiel

Anúncios

One response to this post.

  1. O caso referido é de 1954-Walsh-Trial representando o Ministério do trabalho e Serviço Nacional. Este caso em corte foi realizado na Escócia em 1954. Durante o julgamento, membros do departamento juridico da Sociedade Torre de Vigia (Watchtower Bible and Tract Society) tentavam estabelecer que as Testemunhas de Jeová é uma “religião” com “ministros” e que segundo os peticionários, deveriam ser isentos do serviço militar obrigatório na Escócia. A transcrição do julgamento mostra uma lista de centenas de perguntas feitas a Frederick William Franz, Hayde Conington e outros membros da Sociedade Torre de Vigia, a fim de firmar se eles eram mesmo dedicados ministros do cristianismo com base legal e sem pretextos ilícitos ou disfarces comuns hoje infelizmente nas Igrejas Evangélicas Neo-Pentecostais.

    O Reino Unido sempre foi austero e correto e jamais aceitaria reconhecer organizações como legitimas se estas não fossem. O livro de A.H.Macmillan intitulado “Faith on the March” [A Fé Em Marcha], de 1957 dizi a respeito do irmão Franz:

    “ele alcançou distinção na University of Cincinnati e foi-lhe oferecido o privilégio de ir para Oxford ou Cambridge, nD Inglaterra, sob o plano Rhodes” (p.181)

    “Além do espanhol, Franz tem um conhecimento fluente de português e alemão e é conhecedor do francês. Ele também é um perito em hebreu e grego, bem como em siríaco e latim, e tudo isto contribui para fazê-lo uma figura de inteira confiança na equipa editorial do [Presidente Nathan Homer] Knorr” (p.182).

    Observe parte da Transcrição da conversa com perguntas e respostas feitas a Frederick William Franz:

    P. Você também se familiarizou com o hebraico?
    R. Sim. …
    P. Portanto você tem um conhecimento lingüístico substancial ao seu dispor?
    R. Sim, para uso no meu trabalho bíblico.
    P. Penso que você consegue ler e seguir a Bíblia em hebraico, grego, latim, espanhol, português, alemão e francês?
    R. Sim. [Pursuer’s Proof, p. 7]….
    P. Você mesmo lê e fala hebraico, certo?
    R. Eu não falo hebraico.
    P. Não?
    R. Não.
    P. Consegue, você mesmo, traduzir aquilo para o hebraico?
    R. O quê?
    P. Aquele quarto versículo do segundo capítulo de Gênesis?
    R. Você quer dizer este?
    P. Sim?
    R. Não. Eu não tentaria fazer isso [Pursuer’s Proof, pp. 102, 103].

    Esta seção (ou parte desta seção) dos registros da corte são frequentemente usadas para apoiar a idéia que Franz e outros membros da Comissão de Tradução da TNM “não sabiam hebraico”.

    Há uma série de pontos a serem observados aqui . Primeiro, perguntou-se a Franz se ele sabia falar Hebraico. Ele responde dizendo que não falava hebraico, ele não disse que não lia hebraico ou que não entendia. Várias páginas na internet tem repetido as mesmas distorções graves ao citarem a transcrição deste julgamento. Certa página na internet diz que Franz estava sendo julgado “por não saber nada de hebraico” e que “cometeu perjúrio ao mentir.”

    Sei por experiência que muitos Evangélicos e outros críticos Católicos mentem descaradamente ao inventarem tais boatos que repetem todo o tempo.

    Vou citar aqui um exemplo. A página Veritatis.com faz o seguinte comentário:

    “Curiosamente, o Dr. Walter Martin diz que durante uma prova de fiscal na Escócia, em 24 de novembro de 1954, entre Walsh e Latham, “Frederick W. Franz admitiu sob juramente que não conseguia traduzir Gênese 2,4 a partir do hebraico” (um versículo que qualquer estudante do primeiro cursos de hebraico num Seminário Teológico poderia traduzir)6. Após repassar os dados, dr. Martin conclui que o Comitê Tradutor da Bíblia do Novo Mundo não merece qualquer respeito porque “não havia nenhum tradutor de reputação com títulos reconhecidos em exegese ou tradução grega ou hebraica”7″.

    Observou como o boato repetido pela Veritatis de que Frederick W. Franz “admitiu que não consegui traduzir Genesis 2,4 a partir do hebraico” é uma distorção do que lemos nos autos ? O irmão Franz não admitiu nada! Nem diz a transcrição que ele não sabia traduzir Genesis 2:4 “do hebraico”. Foi lhe pedido que traduzisse Gen.2:4 do Inglês para o hebraico. O que é bem diferente, para quem não é nativo de lingua hebraica. Ademais , Franz não disse que “não sabia” mas que “não faria”. Portanto vemos que muitos são praticantes de “perjúrio” justamente aquilo que acusam sem ao menos terem lido os autos do processo.

    Se alguém desejar ler os autos podem me enviar e-mail(oráculodejeova@hotmail.com) ou clicar no link acima “walsh trial”.

    A obra de William Sanford Lasor, intitulada Manual do Hebraico Biblico “Handbook of Biblical Hebrew, vol.1(Grand Rapids: Errdmans, 1978,) p.3 diz:

    “Todo aprendizado está no contexto. O contexto, contudo, não é artificial, composto ao acaso por alguém que não usa a lingua naturalmente, mas antes é a lingua usada no momento por aqueles que a usam como sua lingua mãe. Por esta razão, evito pedir aos estudantes que componham sentenças em Hebraico. Fazer isso seria imprimir erros na mente do estudante. E francamente, muitos de nós que ensinamos hebraico biblico não possuimos suficiente fluência nesta língua para falar ou escrevê-la.”
    O “Manual do Tradutor” em Inglês, de Morry Sofer também defende a mesma linha ao dizer:

    “Uma distinção deve ser feita a respeito de como um tradutor verte de uma lingua ou para uma lingua. Geralmente falando, alguém traduz de um idioma para sua lingua nativa. Isto devido a familiaridade com a lingua nativa, ao passo que nem mesmo anos de estudo e experiência habilita alguém a se sentir completamente em casa com a lingua adquirida. A excessão a esta regra são aqueles que viveram em mais de uma cultura, e tem falado mais de uma lingua em base regular. Tais pessoas podem ser aptas a traduzirem em ambas as direções. Há ,de fato, raros individuos que dominam uma outra lingua ao ponto de fazerem ambas as coisas. São de fato extrremamente raros. Em vista de tudo isso, deve-se compreender o fato de que a habilidade de um tradutor para escrever e falar na lingua alvo (i.e., no idioma nativo de alguem) embora possa ser ser sem erros, aquela mesma pessoa pode não necessariamente ser capaz de escrever excelente prosa ou proferir excelentes discursos (i.e., a lingua da qual ele traduz). Também novamente, não é necessario ser apto a escrever e falar bem na lingua de onde este traduz, ao passo que se espera que um bom tradutor seja um que escreva e fale bem sua lingua nativa.”

    Lembre-se que , embora Franz dissesse que podia ler hebraico ele disse que não podia “falar” hebraico.

    Existem muitos tradutores competentes que não são hábeis em falar e escrever o idioma que lecionam ou traduzem.Isso não quer dizer que não possam falar estes idiomas, mas não conseguem falar sem erros ou naturalidade.

    Franz sabia disso e ele disse simplesmente que “não fala hebraico”. Isso de forma alguma o desacredita como tradutor. Somente alguem preconcebido , antagônico ou ingênuo sem conhecimento de como realmente funciona o trabalho de tradução e a profissão de tradutor colocaria em xeque alguem por tal declaração humilde e em harmonia com os fatos.

    Recentemente o Erudito Rolf Furuli pediu a dois Professores de hebraico que vertessem esta mesma passagem de Genesis 2:4 para o hebraico.

    “Pedi a dois de meus colegas que ensinam hebraico na University of Oslo, para traduzirem esta passagem. Ambos tiveram problemas ao tentarem traduzir do hebraico para o Inglês, muito embora ambos sejam Professores experientes, e seus resultados foram bastante diferentes.“

    Estes tiveram enorme dificuldades, até por que este texto não é tão simples como parece! Este versículo não possue um verbo finito, mas uma construção infinitiva Niphal, sufixado e com a construção infinitiva Qal. Voltando ao caso na Escócia temos que ressaltar que o motivo da presença de membros de destaque na direção da Sociedade Torre de Vigia alí era não devido a questões relacionadas com erudição biblica e conhecimento dos idiomas da Biblia, antes porém, o processo envolvia o direito das Testemunhas de Jeová ordenarem ministros ali. A corte não era um lugar para exibição e Franz não era obrigado a seguir o joguinho de alguns advogados.

    O que alguns sites escritos de modo irresponsável e com forte tendencias teológicas chamam de “apologia” é na verdade “calunia” .

    O fato é que Fradeick William Franz possue até hoje muitos desafetos por ser uma Testemunha de Jeová. Representam de modo distorcido os fatos. Não é necessário ser uma Testemunha de Jeová para admitir que a TNM é de fato a mais exata das versões da Biblia.

    EDGAR FOSTER: (Classics Major, Lenoir-Rhyne College)
    “Antes de eu começar a estudar Grego formalmente, Eu simplesmente comparei a Tradução do Novo Mundo com léxicos, comentários, e outras traduções para tentar determinar a sua exatidão. Ela passou pelo teste litmus e também passa no teste agora para mim…A TNM é uma tradução muito boa. Em minha mente, ela é uma tradução de excelência.. Mas me sinto mais confortável com a RSV ou uma NASB.Na maior parte eu prefiro o meu texto Grego da UBS.”

    Os chamados “erros” que antagonistas da Tradução do Novo Mundo dizem terem encontrado são sempre textos onde defendem idéias trinitárias.

    Uma leitura em hebraico revela de modo claro e inequivoco que a Tradução do Novo Mundo é muito boa e a mesma leitura revela que as traduções comumente aceitas possuem muitos erros básicos e um número infindável de inexatidões. Vou citar um exemplo clássico que ilustra bem este ponto. Quando perguntados sobre a responsabilidade de verter a palavra de Deus, os Teologos afirmam que é algo muito sério. Contudo, quando aponto para eles que em Deuteronomio 10:4 verteram a frase hebraica “ASERETH HÁ DEVARIM” (lietralmente: “as Dez palavras”) por “Os Dez mandamentos” , dizem que tanto faz. Ocorre porém que “Dez mandamentos” em hebraico se diz : ASERETH HÁ MITSÓT ( Num 36:13 aparece a frase “mandamentos” mas nunca verá a frase “dez mandamentos” na Bíblia , visto que mandamentos eram mais de 600)

    Como sabemos haviam mais de 600 mandamentos e não dez! Uma tradução fiel verte com FIDELIDADE e acaba revelando erros teológicos profundamente arraigados na mente dos religiosos modernos! Não há dúvida de que Frederick William Franz era um Erudito de capacidade inquestionável.

    S. MACLEAN GILMORE: “Em 1950 as Testemunhas de Jeová publicaram o Novo Testamento de sua Tradução do Novo Mundo, e a preparação da tradução do Velho Testamento está agora bem avançado. A Edição do Novo Testamento foi feita por uma comissão… que possui uma competência incomum em Grego.” (The Andover Newton Quarterly, September 1966, Vol 7, #1 page 25, 26)

    CHARLES FRANCIS POTTER: “a Tradução do Novo Mundo das Escrituras Gregas Cristâs…os tradutores anônimos certamente verteram a partir dos textos dos melhores manuscritos …com habilidade Erudita e exatidão.” (The Faith Men Live By, 1954, Page 239)

    Dr. Jason BeDuhn ,Professor na Universidade de Indiana Erudito e PHd escreveu para a Sociedade Torre de Vigia descrevendo a The Kingdom Interlinear Translation of the Greek aquinaumures (Tradução Interlinear do Reino das Escrituras Gregas), da seguinte forma:

    “Acabei de dar um curso para o Departamento de Estudos Religiosos da Universidade de Indiana, em Bloomington. Esse é basicamente um curso sobre os Evangelhos. Os senhores me ajudaram através dos vários exemplares de The Kingdom Interlinear Translation of the Greek aquinaumures, que meus alunos usaram como um dos compêndios para as aulas. Esses pequenos volumes foram inestimáveis para o curso e muito populares entre os estudantes.”

    Ele esclareceu ainda porque preferia esta versão nos seus cursos, escrevendo:

    “Simplesmente porque é o melhor Novo Testamento interlinear disponível. Sou erudito qualificado em assuntos bíblicos, familiarizado com os compêndios e instrumentos usados atualmente no estudo da Bíblia. A propósito, não sou Testemunha de Jeová. Mas conheço uma publicação de qualidade quando a vejo, e a sua ‘Comissão da Tradução do Novo Mundo da Bíblia’ fez um bom trabalho. Sua tradução interlinear para o inglês é correcta e tão consistente que obriga o leitor a encarar as diferenças linguísticas, culturais e conceituais entre o mundo de língua grega e o nosso. A sua “Tradução do Novo Mundo” é uma obra de alta qualidade e literal, que evita interpretações tradicionais a fim de ser fiel ao grego. É, em muitos sentidos, superior às traduções mais vendidas em uso atualmente.”
    BeDuhn classificou-a como “notavelmente boa”, “muito melhor” e “consistentemente melhor” do que algumas das outras avaliadas. De modo geral, concluiu BeDuhn, a Tradução do Novo Mundo “é uma das traduções em inglês mais exatas do Novo Testamento que estão disponíveis” e “a mais exata das traduções que foram comparadas“. BeDuhn disse também que muitos tradutores estavam sujeitos à pressão de “parafrasear o que a Bíblia diz ou de fazer acréscimos para harmonizá-la com o que os leitores modernos querem e precisam que ela diga”. Por outro lado, a Tradução do Novo Mundo é diferente, observou BeDuhn, por ser “mais exacta como tradução literal e conservar as expressões originais dos escritores do Novo Testamento”.

    BENJAMIN KEDAR: (Benjamin Kedar Professor da Universidade Hebraica de Israel). “Em minha pesquisa lingüística em conexão com a Bíblia Hebraica e suas traduções,eu sempre consulto a edição em Inglês conhecida como Tradução do Novo Mundo. E ao assim fazer, confirmo repetidamente meu sentimento de que este trabalho reflete um esforço honesto de alcançar uma compreensão do texto que seja tão exata quanto possível. Dando evidencia de um amplo domínio da língua original, ela verte de um modo inteligente as palavras originais para uma segunda língua sem se desviar desnecessariamente da estrutura do hebraico…Cada declaração de uma língua permite uma certa latitude de interpretação e tradução. De modo que a solução lingüística em cada caso pode estar aberta a uma discussão. Contudo, eu nunca vi na tradução do novo Mundo uma intenção tendenciosa de se dar uma interpretação de algo que ele não contenha.”

    Em vista de tais declarações de Eruditos independentes, fica claro que as criticas a Frederick William Franz e a Tradução do Novo Mundo são injustas e desprovidas da verdadeira erudição.

    Era Fred Franz um erudito?

    Frederick W. Franz era um erudito dentro os muitos eruditos da Watchtower Society. Desconhecidos no mundo e tidos como inexistentes por muitos opositores religiosos e outros.

    A formação erudita deles se dá ao longo dos anos de pesquisa em associação com a equipe editorial da Watchtower onde lhes são designados diversos campos de pesquisa investigativa principalmente relacionada com a divulgação da mensagem da Bíblia. Em vista disso, o campo de pesquisa envolvendo os idiomas da Bíblia, estratégias de divulgação do ensino bíblico e pesquisas filológicas avançadas promovidas pela associação Watchtower tem produzidos eruditos habilitados que procuram não a ostentação mas dar glória ao Autor Divino das Escrituras Sagradas, Jeová Deus.

    Falando da Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas , aquele que talvez tenha sido o erudito acadêmico mais respeitado e elogiado pelos evangélicos afirmou:

    “No todo , a pessoa adquire uma boa e tolerável impressão do recurso erudito dos tradutores.” Dr. Bruce Metzger -Professor em Princeton Theological Seminary e Erudito em Grego , em Estudos do Novo e Velho Testamento na obra “The Bible Translator”.

    Erudito não se refere somente a alguém que estudou em universidades ou que é PHd ou Mestrado. Alguém que dedicou anos de sua vida ao estudo avançado de uma determinada área tal qual os idiomas da Bíblia, e que demonstra profundo conhecimento, é sim um erudito. Esta é a definição apresentada por vários Dicionários.

    Várias fontes seculares, a BBC, o Chicago Tribune e o The New York Times se referiram a Frederick William Franz como sendo um “erudito”.

    http://www.bbc.co.uk/religion/religions/witnesses/history/history.shtml

    http://articles.chicagotribune.com/1992-12-25/news/9204270328_1_watch-tower-bible-frederick-william-franz-tract-society

    http://www.nytimes.com/1992/12/24/obituaries/frederick-w-franz-a-religous-leader-dies-in-office-at-99.html

    Não há dúvida que Frederick William Franz foi um erudito.

    O que é Erudito:

    Certo respeitado Dicionário se refere a palavra erudito como sendo “Alguém engajado na busca do conhecimento; alguém versado em muitas áreas, de conhecimento” Webster’s Revised Unabridged Dictionary

    “um especialista numa área particular de conhecimento” (referência) ou seja um “estudioso” não necessariamente ligado a uma universidade ou faculdade. Uma instituição altamente disciplinada na busca de conhecimento, como é a Associação Torre de Vigia é sem dúvida uma organização de erudição bíblica sendo que seus pesquisadores principais são eruditos.

    Resposta

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: