Espiritismo – conheça a História – de mais uma da armações de Satanas


Amados irmãos A Paz do Senhor Jesus,

Coloquei o estudo ai abaixo para o conhecimento de vocês, porém não se iludão … ESPIRITISMO É COISA DE SATANÁS, do Diabo Mesmo!…

e Amigo se você crê o pratica a crença do espiritismo, não tome a minha afirmação como uma ofença a você. Tome como um alerta. Jesus te ama e ele não se agrada, se você perder a salvação.

 

Espiritismo

Autor Rev. Ézio Martins de Lima 

O que é Espiritismo?

O Espiritismo é uma doutrina religiosa baseada na crença na existência do espírito (alma) independente do corpo e em seu retorno à Terra em sucessivas encarnações, até atingir a perfeição. <o:p></o:p>

O Espiritismo é um complexo de doutrinas baseadas na crença na eternidade da alma e da possibilidade de comunicação entre vivos e mortos, isto é, entre encarnados e desencarnados. <o:p></o:p>

Líder fundador:

O fundador do Espiritismo é o francês Denisard Léon Hippolyte Rivail. Rivail nasceu em Lyon em 03/10/1804 e morreu em 1869.

Em 1854, Rivail testemunhou uma manifestação de escrita mediúnica e concluiu que tal fato decorre da manifestação de espíritos sem a interferência humana. Em 1857, após ter contato com espíritos que revelaram que em vida passada havia se chamado Allan Kardec, publica com este pseudônimo O Livro dos Espíritos, obra fundamental da doutrina espírita kardecista.

Kardec escreveu vários livros: O livro dos Médiuns (1861); O evangelho Segundo o Espiritismo (1864); O céu e o Inferno (1865) e A Gênese (1868).

Segundo os próprios ‘espíritas’, o primeiro grupo Kardecista chegou ao Brasil em 1873. O Espiritismo disseminou-se com grande força no Brasil.Em 1990, a Confederação Espírita do Brasil afirmava que já eram 10 milhões os adeptos do espiritismo.

No Brasil, assim como na maioria dos países católicos, a doutrina espírita/kardecista encontrou solo fértil para se proliferar. Isso se deve ao fato de que a doutrina Católico-romana admite o princípio de uma ligação entre os vivos e mortos, quando prega a influência dos santos defuntos sobre a vida dos fiéis.

Doutrinas do Espiritismo

Deus: Supremo Criador do Universo, a suprema inteligência e a causa de todas as coisas. <o:p></o:p>

Jesus: É o espírito do mais alto nível, o mais desenvolvido e exemplo de perfeição moral, por isso, ele é grande Mestre. Ele não é Deus; é um dos filhos de Deus; é o mestre desse planeta; chegou a um estado de perfeição, conhecimento e pureza através de muitas reencarnações.

Veja o que o Espiritismo diz sobre Jesus: "Importa, pois, (que) se risquem os milagres do rol das provas sobre que se pretende fundar a divindade da pessoa de Cristo" (Obras Póstumas, p.126).

E ainda: " Após o suplício de Jesus, seu corpo se conservou inerte e sem vida; foi sepultado como o são de ordinário os corpos e todos puderam ver e tocar. Após a sua ressurreição, quando quis deixar a Terra, não morreu de novo; seu corpo se elevou, desvaneceu e desapareceu, sem deixar qualquer vestígio, prova evidente de que aquele corpo era de natureza diversa da do que pereceu na cruz" (A Gênese, p. 353).

O Espiritismo não só nega a humanidade de Jesus e sua ressurreição corporal, mas também a Sua divindade: "Segundo definição dada por um espírito ele (Jesus) era um médium de Deus". ( A Gênese, p. 311)

O Espírito Santo: "Por mais se deseje antepor argumentos negativos ou de cunho cepticista, a Mensagem Kerdequiana, sem qualquer sombra de dúvida, é o Consolador prometido por Jesus" (Enfoques Espíritas, p. 15). Veja ainda: "Dando vigor e lógica, ênfase e atualidade ao espírito das lições evangélicas, a doutrina cristã, toda, inteira, na sua moral incomparável, ressurge no Espiritismo, o Consolador que as repete, trazendo novas revelações, atuais rumos para conduzir com segurança o homem intelectualizado destes tempos, não, porém, necessariamente moralizado, já nem sempre esta conquista acompanha aquele progresso" (Enfoques Espíritas, p. 17). E ainda: "Consolador inexaurível, o Espiritismo é a renascença do Cristianismo primitivo…" (idem, p.18).

O Ser humano: Para o Espiritismo o ser humano é um espírito com um corpo emprestado.

Espírito/alma: "Os espíritos são individualizações do princípio inteligente; através de múltiplas encarnações atinge estágios mais elevados de inteligência e amor". (Palestra de um Médium espírita).

Reencarnação: Segundo o Espiritismo "é a volta do espírito* através de novo corpo de carne, ou seja, um outra encarnação. Através desse processo, de vidas sucessivas, o espírito vai se aperfeiçoando, desligando-se dos laços materiais que ainda o prendem, a caminho da perfeição (…) é óbvio que devemos passar por inúmeras existências corporais(…) O número dessas existências vai depender de nós, do aproveitamento que tivermos nas nossas vidas sucessivas (…) depois da última encarnação, teremos alcançado a posição de espírito puro" (Mundo dos Espíritos, p.92) (* Obs.: nos livros espíritas a palavra "espírito" sempre aparece com letra maiúscula)

Há, segundo a doutrina espírita três graus de espíritos:

1. Espíritos maus e ignorantes
2. Espíritos bons
3. Espíritos perfeitos.

Os espíritos seguem a lei do Carma: "Cada espírito é responsável pela sua própria ação e para cada ação há uma reação". Como progredir? O espiritismo responde: "Fora da caridade não há salvação" (Kardec, citado por Franco in: Enfoques Espíritas, p. 17). Portanto, o espiritismo considera o homem o único responsável por sua felicidade, progressão e salvação, já que tudo depende de seus atos.

Comunicação com os espíritos : Espíritos desencarnados podem, segundo a doutrina kardecista, se comunicar com espíritos encarnados, e afirmam que "só os espíritos bons é que se comunicam"

Diabo: Para o espiritismo o mal não existe; portanto, o diabo não passa de uma ficção. A causa do mal são os espíritos maus e ignorantes.

Sessões espíritas: 1) oração para o espírito guia; 2) Leitura do Evangelho Segundo o Espiritismo; 3) Contato e incorporação do espírito; 4) estudo das doutrinas kardecistas. (Obs.: a forma das cessões podem ser diferentes, mas a essência sempre é a mesma).

 

Cristianismo e Espiritismo:
Há porventura algo em comum?

O Cristianismo afirma que a Bíblia é Verdade de Deus Revelada e, por isso, as Sagradas Escrituras são Regra de Fé e Prática para vida cristã autêntica.

O Espiritismo tem a Bíblia Sagrada como um grande livro. Veja:
"A Bíblia é, penso eu, um dos melhores livros sagrados de todos os tempos" (Dr. Moses Hull in: Biblical Spiritualism, apud. "Eu Falei com espíritos", p.40).

Contudo, não sejamos ingênuos quanto a esta afirmação, pois no mesmo parágrafo, este que foi um grande vulto do espiritismo norte americano, escreve: "Não cremos na inspiração verbal da Bíblia (…) A inspiração verbal da Bíblia é uma teoria supersticiosa (…) Nos capítulos seguintes a luz sagrada do espiritismo é aplicada à Bíblia e ela se torna, na verdade, ’uma lâmpada para nossos pés e uma luz para nosso caminho". ( idem, p.40).

Veja ainda: "Nem a Bíblia prova coisa nenhuma, nem temos a Bíblia como probante. O Espiritismo não é um ramo do cristianismo como as demais seitas chamadas cristãs. Não assenta os seus princípios nas Escrituras. Não rodopia junto a Bíblia. A discussão, no terreno em que se acha, seria ótima com católicos, visto como católicos e protestantes baseiam os seus ensinos nas Escrituras. Mas nossa base é o ensino dos espíritos, daí o nome: Espiritismo". ("A Margem do Espiritismo", p. 214).

A verdade é que o espiritismo não usa a Bíblia enquanto esta contesta as suas doutrinas, por outro lado, não cessa de citá-la, de forma deturpada, com o fim de mostrar que suas doutrinas podem ser encontradas também nela. Aliás, esta é uma prática muito usada pelo diabo, e bastante conhecida daqueles que lêem a Bíblia, não segundo ‘espíritos’, mas segundo o Espírito Santo.

Veja: Gênesis: 3, 3-4: Deus disse: "Não comereis, nem tocareis, para que não morrais"

A serpente disse: "É certo que não morrereis". O diabo contesta a Palavra usando a própria Palavra de forma invertida ou adulterada. Podemos, também, conferir este fato quando das tentações que o diabo lançou sobre Jesus (Lc. 4,1-13; Mt. 4,1-11). Conforme vemos nestes versículos, o diabo usa a Palavra de Deus de forma des-contextualizada. O espiritismo afirma com veemência que os ‘espíritos’ é que elucidam o texto sagrado, isto é, só se pode conhecer o que a Bíblia diz a partir da doutrina espírita: "Jesus é a verdade, Kardec faz-se o elucidador da revelação da verdade. Jesus é o Pastor. Kardec é a voz que chega às ovelhas, reconvocando-as para o redil".(Enfoques Espíritas, p.18).

Desta forma, o Espiritismo pode afirmar: "É impossível dissociar o Espiritismo da doutrina cristã" (idem, p.15) E ainda:
"Sem o cristianismo, não há o Espiritismo; todavia, sem este, o Cristianismo perde sua força e o vigor da sua lógica, da sua contemporaneidade de todos os tempos". (idem, p.18)

 

Diferenças entre o Espiritismo e Cristianismo

Bíblia: Segundo o Espiritismo, as Escrituras não são a Palavra de Deus. Segundo o Cristianismo, toda a Escritura e inspirada por Deus (2 Tm 3:16-17) e,   por isso, é inerrante (1 Ts 2:13).

Morte: Segundo o Espiritismo é parte integrante do propósito divino, não é resultado do pecado, é instrumento do aperfeiçoamento. Segundo o Cristianismo a morte é resultado do pecado (Gn 3, Rm 6:23). A Morte, contudo, foi vencida por Jesus na cruz, e na ressurreição será vencida por todos os fiéis. (1 Co 15, ver em especial: 1 Co 15:17-16 2 e 1 Co 15:51-58).

Reencarnação: Segundo o Espiritismo o ser humano alcança a perfeição através de múltiplas reencarnações. Segundo o Cristianismo não existe reencarnação (Hb 9:27)

Jesus: Segundo o Espiritismo Jesus é um dos filhos de Deus. Foi criado por Deus e chegou a um estado de perfeição, conhecimento e pureza através de muitas reencarnações. Segundo o cristianismo, Jesus é Deus, e por isso pré-existente. (Jo 1: 1-4). Além da sua pré-existência, veja ainda:

  • Jesus perdoa pecados, atribuição exclusiva de Deus (Is 43: 25; Mc 2:1-12).
  • Jesus aceita adoração que só se deve prestar a Deus (Mt 4:10; Mt 8:1-2; Mt 14:33; Mt 15:25; Mt 28:9; Hb 1:6).
  • Jesus foi chamado abertamente de Deus, e não se opôs a isso (Jo 20:28).

Segundo o Espiritismo, Jesus em nenhuma parte do N.T. afirma que ser Deus. No entanto, veja:

Jesus nunca disse: "Eu sou Deus Pai", mas diz ser Filho de Deus e igual a Deus (Jo 5:16-18; Jo 10:30-33; Jo 8:58 "Eu Sou", compare com Ex. 3:13-16).

 

Salvação: Segundo o Espiritismo a ‘salvação’ é perfeição em conhecimento e pureza. É alcançada através da evolução progressiva. Kardec escreve: (…) a Missão de Jesus não era resgatar com seu sangue os crimes da humanidade. O sangue, mesmo de um Deus, não seria capaz de resgatar ninguém. Cada qual deve resgatar a si mesmo" (Cristianismo e Espiritismo, p. 86) ".

A Bíblia é clara em declarar que a missão de Jesus Cristo é resgatar e salvar os perdidos (1 Co 15:3-4). Veja ainda:

  • O Seu nome ‘Jesus’ – Salvador – indicaria sua missão: salvar (Lc 2:10-11).
  • Jesus declarou que essa era sua missão aqui na Terra (Mt 20:29; Lc 19:10; Lc 5:31-32).
  • Paulo afirma que nossa redenção é feita por Cristo (1 Tm 1:15) e que seu sangue nos purifica de todo o pecado (Ef 1:7). Veja também (1 Pe 1:18-19; 1 Pe 2:24; Hb 7:25; 1 Jo 1:7-9; 1 Jo 2:12).

Portanto, segundo o Cristianismo, a Salvação é pela graça, mediante a fé em Jesus Cristo ( Jo 14:6; Ef 2:8; 1 Tm 2:5).

A Doutrina dos espíritos é confiável?

Como vimos, o espiritismo tem suas doutrinas fundamentadas no ensino dos espíritos. Mas, a pergunta que se nos obriga a fazer é: este ensino merece confiança? Veja o que escreve Kardec: "A identidade constitui uma das grandes dificuldades do Espiritismo prático. É impossível, com freqüência, esclarecê-la, especialmente quando são espíritos superiores, antigos em relação à nossa época." (O que é Espiritismo, p. 318). E ainda: "Esses espíritos levianos pululam ao nosso redor, e aproveitam todas as ocasiões para se imiscuírem nas comunicações" (O Livro dos Médiuns, p. 402). E, por último: "Um fato que a observação demonstrou e os próprios espíritos confirmam é de que os espíritos inferiores com freqüência usurpam nomes conhecidos e respeitados (…) Tal dúvida existe até entre alguns fervorosos adeptos da doutrina espírita, os quais admitem a intervenção e manifestação de espíritos, porém indagam como pode ser comprovada sua identidade". (O Livro dos Espíritos, p. 41).

Como vemos, o próprio fundador e formulador da doutrina espírita reconhece "ser impossível esclarecer a identidade dos espíritos".

Para o espiritismo, como já vimos, Jesus é o "Espírito Puro". Veja as palavras de Kardec: "Jesus é para o homem o tipo de perfeição moral a que pode aspirar uma humanidade na Terra. Deus no-lo oferece como o mais perfeito modelo e a doutrina que ele ensinou é a mais pura expressão da sua lei, porque ele estava animado pelo Espírito divino e foi o ser mais puro que já apareceu na Terra". (O Livro dos Espíritos, p. 171).

Se Jesus é perfeição e sua doutrina a mais pura expressão da Lei de Deus (o que é bíblico: Hb 7:26; Mt 3:16-17). O Espiritismo, dessa forma vive uma grande contradição doutrinária. E já que falam tanto em lógica, falta-lhes esta categoria.

Vejamos:

Por um lado afirma-se que Jesus foi o maior e mais evoluído espírito de Luz que já passou pela Terra. Nesse caso, a contradição é que esse espírito de Luz esteve enganado com relação à parte fundamental da sua doutrina, ou seja, que os homens salvar-se-iam dos seus pecados, crendo na sua morte vicária na cruz do calvário, quando na verdade, bastaria que, para obter a salvação, os homens praticassem boas obras e encarnassem várias vezes, seguindo, assim, a lei do Carma.

Se o maior espírito de luz, Jesus, segundo o espiritismo, enganou-se com relação à parte fundamental da sua doutrina, por que, então, os espíritos de menor luz, como Kardec, estariam certos? Se Kardec estava certo e Cristo errado, então Kardec tinha mais luz do que Cristo. Você acha que Kardec tinha mais luz do que Cristo? Portanto, tem que se admitir que é impossível–a partir da própria doutrina espírita – saber a verdade sobre a verdade, pois o mais elevado dos espíritos de luz, Jesus, enganou-se. E, se Ele, Jesus, enganou-se, é justo pensarmos que os de menos luz possam estar enganados também, não é mesmo?

 

Portanto, por que os espíritos enganam?

 

Para que as pessoas se desviem da Cruz e da salvação pela fé. (2 Co 11:14-15).

Se uma pessoa se convence de que aqueles que se manifestam em sessão espírita são espíritos humanos desencarnados, ela deixará de buscar a sua salvação em Cristo pela fé, pois a salvação não se dará mediante ao arrependimento e a fé em Jesus, como a Bíblia ensina, e sim mediante a reencarnação e a mediunidade, dando-se o prosseguimento ao processo de evolução espiritual.

 

Os Fenômenos do Espiritismo provam alguma coisa?

 

O cristão não deve temer e nem mesmo deixar que a dúvida permeie a sua mente, diante dos relatos de fenômenos do espiritismo. Há muita charlatanice envolta nos fenômenos espíritas, mas há também fenômenos que são "comprovados como extraordinários". Os fenômenos extraordinários provam alguma coisa? Os espíritas, evidentemente, afirmam que sim. Aliás, esta é a tecla mais frisada pelos kardecistas.

Revestindo-se de supostas comprovações científicas, muitos homens e mulheres com verdadeiras intenções no coração são enganados com idéias absurdas, sem fundamento e nenhuma lógica. Conquanto, sejam os fenômenos verdadeiros ou não, assim escreve um Teólogo Sueco (Presbiteriano): "(A fé cristã ) deve combater as tentativas espíritas que pretendem estabelecer união direta entre os vivos e os mortos. A fé evidentemente não tem razão para pronuncia-se a respeito da possibilidade ou impossibilidade de tais vinculações. A fé não se pronuncia, em geral, a respeito de investigações científicas em torno dos fenômenos a que se refere o espiritismo. O exame de tais fenômenos (se forem verdadeiros) não cabe à teologia, mas sim à psicologia. Cabe forçosamente à Teologia, isso sim, a tarefa de afirmar que tais tentativas espíritas não são compatíveis com a fé (…). Quando, por conseguinte, o espiritismo tenta tornar-se porta-voz da religião, a fé cristã é forçada a repudiá-lo, pois o espiritismo se afasta daquilo que é absolutamente decisivo para a fé, a saber, a relação entre Deus e o homem." (A Fé Cristã, AULÉN, Gustaf. p. 371).

A Fé cristã não se baseia em fenômenos, mas na revelação da Glória de Deus em Cristo Jesus (Jo 1:18; Jo 3:16; 2 Co 4:6; 1 Tm 6:16; Hb 1:1,3). "Andamos por fé, e não pelo que vemos" (2 Co 5:7).

 

Em resumo: (Por um ex-espírita)

 

1. O fato de um fenômeno ser espiritual não significa, necessariamente, que é um ato de Deus (lembre-se dos magos do Egito em Ex 7:11-12 e Ex 7:22; Ex 8:7).

2. O verdadeiro caráter dos espíritos pode ser demonstrado por sua rejeição a Jesus Cristo como Deus, o Filho, que morreu para expiar os pecados da humanidade. (1 Jo 4:1-6)

3. Um espírito familiar a serviço de satanás conhece os seres humanos tão bem que pode disfarçar-se como sendo essas pessoas.

4. Há diferentes tipos de espíritos (Mc 9:29) – alguns são sensuais, e lascivos, e outros parecem éticos, capazes de enganar aos de coração sensível e bom (1 Tm 4:1-3; 2 Tm 4:1-5).

5. Os demônios são espíritos errantes que pertencem às legiões de Satanás, uma classe de seres distintos dos anjos – alguns estão na Terra procurando encarnar-se em seres humanos e animais irracionais, outros estão aprisionados nos abismos profundos

6. Deus proibiu aos seres humanos tentar comunicar-se com os mortos; tais tentativas resultam em comunicação com espíritos enganadores, conhecidos como ‘espíritos familiares’

7. Satanás conquista seguidores por meio de fenômenos psíquicos e sobrenaturais que se aproximam do poder de Deus."

(ERNEST, V. H. Eu Falei com Espíritos", p.85-86).

 

Como já vimos, o espiritismo nega que a Bíblia seja a regra de fé e prática. Negam que a Bíblia seja a Palavra de Deus revelada. Conquanto, não raramente ouvimos os adeptos deste grupo religioso usarem os textos bíblicos para fundamentarem sua ideologias. Por quê? Porque a Bíblia e a Palavra de Deus, e o intuito maior de satanás é transformar a Verdade de Deus em mentira. Afinal, como diz a Palavra, ele é o pai da mentira (Jo 8:44). A ação se concentra em suscitar dúvida na mente humana <st1:PersonName w:st="on" ProductID="em relação à Palavra">em relação à Palavra</st1:PersonName> de Deus. Veja um exemplo típico:

Gn 2:16: "E (Deus) lhes Deus esta ordem: "De toda a árvore do jardim comerás livremente, mas da árvore do conhecimento do bem e do mal não comerás; porque no dia em que dela comeres certamente morrerás"

Gn 3: 4: "É certo que não morrereis. Porque Deus sabe que no dia em que dele comerdes se vos abrirão os olhos e, como Deus, sereis conhecedores do bem e do mal".

 

Vejamos alguns textos usados pelo espiritismo no intuito de colocar em cheque a Palavra de Deus:

 

1. Saul e a feiticeira de En-Dor (1 Samuel 28)

Samuel era profeta de Deus (1 Sm 3:20). O profeta fala em nome de Deus (Dt 18:15-22). O profeta que fala contra a vontade de Deus não merece crédito (Dt 13:1-3).

Se Samuel fosse o transmissor da profecia através da médium, teria sido portanto o próprio Deus falando. Se não foi Deus quem disse (1 Co 10:13-14), então não foi Samuel.

Se Samuel tivesse "vindo dos mortos" para profetizar estaria indo contra a vontade de Deus (Lv 20:27; Dt 18:10-12; Ap 21:8), mas a Bíblia diz que Samuel nunca desobedeceu a Deus.

Ora, se Deus recusara atender a Saul pelas vias normais, por que o faria pelas vias que Ele próprio, Deus, condena? Mudara Deus, portanto, de idéia com respeito à feitiçaria? É óbvio que não (Tg 1:17).

As profecias de acordo com Dt 18:22, devem ser julgadas. As "profecias" que saíram da boca do "pseudo-Samuel" não resistem ao exame:

a) Saul não foi entregue nas mãos dos filisteu (1 Sm 28:19), mas se suicidou (1 Sm 31:4), vindo parar mais tarde nas mãos dos homens de Jabes-Gileade (1 Sm 31:11-13);

b) Não morreram todos os filhos de Saul, como afirmava a profecia (1 Sm 28:19). Ficaram, vivos pelo menos três filhos de Saul: Isbote (2 Sm 2:8-10); Armoni e Mefibosete (2 Sm 21:8). Apenas três morreram, como está registrado em 1 Sm 31:6 e 1 Cr 10:2-6.

2. João 9:2

Para o espiritismo "essa pergunta dos discípulos prova que os apóstolos acreditavam na reencarnação".

Esta afirmação demonstra o quanto são desprovidos do conhecimento, tanto o sentido do texto bíblico, quanto do contexto sócio-religioso judaico.

Havia a tese muito difundida entre os rabinos, do judaísmo obviamente, de que "uma criança podia pecar ainda estando no ventre da mãe".( BRUCE, F. p. 183). Os Salmos 51:5 e 58:3 são a base para tal pensamento.

Conquanto, quais sejam as idéias dos discípulos, é certo que longe estava Cristo de partilhá-las. A resposta de Jesus não deixa dúvidas. Bruce escreve: "Jesus discorda da idéia de seus discípulo de que a cegueira do homem foi causada pelo pecado de alguma pessoa. Isto não quer dizer que Deus intencionalmente fez a criança nascer cega para, depois de muitos anos, revelar a sua Glória tirando a cegueira.; pensar assim também seria uma afronta ao caráter de Deus." (p. 183). Juan Barreto complementa: "Jesus afirma que a cegueira não é castigo de Deus e que Deus não é indiferente perante o mal, mas quer que o homem saia da miséria e o ajuda para isso". (El Evangelio de Juan, pg.408).

3. Mateus 19:28-29

A declaração espírita é que "Não se deve decretar a reencarnação privilégio de alguns personagens eminente como Cristo , João ou Elias. Por que Jesus disse ‘cem vezes tanto’, Cristo promete uma centena de mães. Que significa isto? Uma centena de nascimentos, uma centena de reencarnações"

O próprio Senhor Jesus responde a estas afirmações em Lucas 18, 29-30. Cem vezes mais nesta vida (neste mundo) e no futuro, a vida eterna.

4. João 3:3-5

Para o espiritismo a afirmação de Jesus significa: "Se o homem não renasce com seu corpo e sua alma" (O Evangelho segundo o Espiritismo, p. 561).

A expressão "nascer de novo" vem do grego anothem; significa nascer do alto, por obra e graça do Espírito, mediante o arrependimento genuíno.

A resposta de Nicodemos Jo 3:4, segundo Bruce é: "que quando alguém está crescido e andando no seu caminho, não se pode esperar que mude a natureza e comece de novo". Também o diz Juan Barreto: "A objeção de Nicodemos qualifica de utopia a exigência de Jesus; cada um é filho do próprio passado, de uma tradição e de uma experiência; sobre ela pode construir e desenvolver-se, mas é ilusório pretender começar de novo. Ao encerrar-se no passado, (Nicodemos) professa um determinismo que nega a Deus a possibilidade de mudança radical. Jesus, pelo contrário, afirma a liberdade: é possível romper com este passado, porque é possível esperar de Deus Vida Nova". (idem, p. 170)

5. Elias e João

Para o Espiritismo João Batista era a reencarnação de Elias. Segundo consta, Kardec não proferiu nada quanto a este aspecto; foi, sim, Alziro Zarur, fundador da LBV que afirmou: "O espírito do profeta Elias viria reencarnar no corpo daquele menino que ia nascer de Isabel e de Zacarias" (Jesus, a saga de Alziro Zarur, p. 121). <o:p></o:p>

Os textos:

Ml 4:5-6 – a promessa da vinda do profeta para proclamar a chegada do tempo messiânico, isto é, da vinda do Messias.

Mt 11:14 e Lc 7:27, as comparações de João com Elias.

Ora, João Batista era Elias apenas no sentido profético, isto é, tinham o mesmo ministério profético. Ele viria com poder e virtude que eram patentes em Elias, e seria, como foi, instrumento para apontar o caminho do Messias. <o:p></o:p>

Além disso:

a.      Como pode Elias ter "reencarnado" se não "desencarnou"? (2 Rs 2:11);

b.      Se Elias estivesse "reencarnado" em João não poderia ter aparecido na transfiguração de Jesus (Mt 17:2-6);

c.       João Batista, quando interrogado, respondeu que não era Elias. (Jo 1:21);

d.      Em Mt 11:13, Jesus disse: "Todos os profetas… até João". Por uma questão de lógica, Elias e João não são o mesmo ‘espírito’.

 

Débora

Anúncios

4 responses to this post.

  1. Posted by rick on abril 29, 2011 at 8:59 pm

    gostei muito dessa explicaçao obs eles falam d e jesus mas nao o seguem de verdade

    Responder

  2. Toda a obra espírita é em benefício do próximo. O próprio Jesus em várias passagens da bíblia fala que: quando vestir um desses pequeninos é a mim que fazeis, quando alimentar um desses pequeninos é a mim que fazeis. Lógico que foram outras palavras mas com o mesmo significado. O objetivo do espiritismo é despertar na criatura o que o mestre Jesus ensinou, amar o próximo como a ti mesmo. Quem faz isso caros amigos independente de religião é um verdadeiro seguidor de cristo. O maior exemplo de cristianismo é o amor incondicional. E outra.
    Como vocês explicam as pessoas que nascem com deficiência? Por que alguns passam fome e outros nascem no berço de ouro? Que Deus seria esse que deixaria a Etiópia e países árabes passar tanta fome e desgraça? Pois é meus caros, o livro dos espíritos e o evangelho segundo o espiritismo tem todas as respostas. E ao contrário do que que foi mencionado nenhum espírita é contra a bíblia, só enxergamos o que está nas entre linhas.

    Responder

  3. Posted by Airton on maio 13, 2013 at 12:18 am

    Caro companheiro, ja dizia Jeronimo, “Para o asno a lira toca inutilmente”
    Não interprete como ofensa, porque são as palavras do homem que traduziu as Escrituras dos originais para o Latim, para depois de muitas outras traduções e influências e interesses culturais e politicos chegou até nós. Voce apenas deve estudar mais História, pois esta teologia baseada nos vossos preconceitos e dogmas religiosos não lhe auxiliarão em nada.
    Antes de criticar os católicos ou outros cristãos procure fazer o melhor de si na casa de oração onde está plantado, e saiba que sua religião Protestante surgiu da Católica, e que aliás existem muitas coisas em comum. Lembre-se que Jesus jamais criticou homens de qualquer natureza.
    Seja feliz, muita paz

    Responder

  4. Posted by Leticia on março 9, 2014 at 10:51 pm

    1

    Em primeiro lugar, em nenhum teoria espírita existe qualquer fundamento baseado em lei do Carma. O carma é um conceito budista e a palavra tem origem no sânscrito, que não é parte das culturas ocidentais.

    O que existe no espiritismo são: a Lei do Amor e a Lei de Causa e Efeito. Os cristãos espíritas acreditam que tudo aquilo que se semeia, se deve colher, no tempo devido e determinado por Deus (e não por outros espíritos).

    2

    O espiritismo segue Jesus, e fundamenta-se na Lei do Amor ensinada por Jesus e registrada na Bíblia. Acredita-se na cura através da fé, conforme Marcos 5, porque no espiritismo se tem fé e resignação, como dentre os servos de Deus, e utiliza-se a Bíblia Sagrada (Sim!!! Bíblia Sagrada, que está aí, ao alcance de todos, e não pertence a uma casta que acredita ter se apropriado dela) nos estudos (que a pessoa que escreveu esse artigo não deve ter feito). Pelo que se nota, o autor deste artigo não fez direito nem mesmo seus estudos bíblicos como evangélico.

    Além da Bíblia, que nós estudamos por cerca de sete anos – e entendemos – o que muito evangélico não faz, por não ter grau de letramento suficiente para entender metade do vocabulário que existe nela – utilizam-se muitos outros livros, que foram, como todos os livros que existem na Terra, e inclusive a Bíblia, escrito, naturalmente por espíritos (sim, porque, quem está vivo, e tendo visões proféticas, é um espírito. Ou a pessoa que escreveu este artigo acredita estar viva e ter deixado seu espírito em alguma outra parte?)…(isso sim, é saber muito sobre lógica!!!)

    A Bíblia é, portanto, um livro escrito por espíritos, também: pessoas vivas na época, que registraram tudo o que foi possível sobre a existência amorosa do nosso mestre Jesus.

    Não se contestam os trechos bíblicos nos estudos espíritas, que estão baseados na própria Bíblia.

    3

    Não crie uma analogia entre Cristão e Espírita. Porque todo espírita é Cristão, e isso se dá pelo reconhecimento das teorias teológicas e teosóficas, e não, por parte de uma religião que acredita ter se apropriado tanto ta Bíblia, quando do título o cristianismo. Cristão é todo ser que acredita e segue Jesus.

    Este artigo compara o Espírita com o Cristão.

    Para serem cristãos, os espíritas precisam apenas seguir Jesus e seus ensinamentos, que são: amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a si mesmo. Não precisam do reconhecimento de nenhum evangélico para fazer isso, porque os evangélicos não são os detentores dos títulos de cristianismo para reconhecer ou não quaisquer práticas religiosas ou doutrinárias, ou para atribuí-lo a alguém ou a algum grupo. Não são, também, os donos da Bíblia, nem da verdade.

    Somos um país laico, em que as leis estão pautadas em uma constituição, e não na pregação de alguém.
    As leis deste país reconhecem os espíritas como Cristãos e fundamenta seus preceitos conforme o regimento do sincretismo religioso, garantido por lei. Este artigo, é, portanto, preconceituoso, por tentar excluir os espíritas de sua própria fé, que seria o cristianismo, e a pessoa que o escreveu, além de estar distorcendo e manipulando conceitos que desconhece, é responsável por ele.

    Em nenhum momento o espiritismo coloca em cheque a palavra bíblica.

    Apenas não se perde tanto tempo em torno da palavra, fazendo pregações, falando sobre Arca de Noé, quando se tem um dilúvio de desentendimento dentro do próprio lar; falando sobre a Babilônia, quando se tem uma crença materialista, fundamentada no dinheiro e no lucro, em que as pessoas se traem, se trocam, mas se justificam por uma grande indústria de casamentos sucessivos e precipitados, sem amor. quando o amor deveria estar sendo a principal prova de que se está contrito com Deus, de que se sabe perdoar, de que se sabe repartir.

    Mas, pode ser, que falar sobre Nabucodonossor ou sobre a Salomé seja, mesmo, o que Jesus espera de todos nós.

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: